Ir para conteúdo


Foto

Liberdade de opinião vs preconceito?


  • Por favor, faça o login para responder
60 respostas neste tópico

#31 Flame Haze

Flame Haze
  • Guests

Postado 11/05/2016 - 00:57:06

Sobre o assunto "atacar a liberdade de crença (...)" tem um debate interessante no video abaixo (embora eu n goste do titulo provocativo do video)

 

https://www.youtube....h?v=2cqh2xZIN48



#32 Jigglypuff

Jigglypuff
  • Membros do Fórum
  • 29 posts

Postado 11/05/2016 - 01:06:07

Homossexualidade ser "normal" (palavra que significa absolutamente nada) ou não é irrelevante, a liberdade de expressão faz parte do direito natural do ser humano e deve ser respeitada acima de tudo. Expressar uma opinião e agredir uma pessoa são coisas totalmente distintas. Mas é claro que os esquerdopatas sempre vão querer controlar as opiniões das pessoas para que pensem iguais a eles...

#33 Super Solaris

Super Solaris

    Superdimensional lifeform

  • Membros do Fórum
  • 4.517 posts
  • LocationBoituva-SP

Postado 11/05/2016 - 01:14:28

1. Normal. Quanto ao fenômeno, algo natural. Em questão de número, que não é difícil de encontrar. 2. Você não tem que ser contra ou a favor. É algo que independe completamente da sua aprovação. 3. Foi exatamente por isso que notei a homossexualidade como algo objetivo. Tem evidências sobrando por aí de que é um fenômeno natural, que ocorre não só na espécie humana. Como você vai lidar com isso é um problema completamente seu.

Levando como base essa sua linha de pensamento, não poderiam ser considerados normais também o sexo em locais publicos, o canibalismo e a zoofilia? Afinal temos inúmeros casos destes na história e na natureza... A questão é que quando tratamos destes assuntos em âmbito humano, lidamos com outras questões que não são inerentes à animais irracionais, como moralidade, ética, crenças, costumes e culturas localizadas e afins. Todas estas questões subjetivas. Eu não tenho, e nem posso ter, o poder de decidir se tais práticas estão certas ou erradas e proibí-las. Ninguém deveria ter esta autoridade a fim de não atacar a liberdade de decisão alheia, mas deveria minha liberdade de julgamento ser retirada por causa de proteções à determinados grupos? Ninguém está defendendo que os homossesxuais tenham que ser discriminados, eu sou a favor deles terem espaço no mundo, mas também sou a favor que todos possam opinar sobre tais assuntos, independentemente se forem contra ou a favor.

A liberdade em si carrega um grande peso, uma responsabilidade. Como muitos não lidam bem com isso, é melhor que a mesma seja devidamente limitada.

Que tipo de responsabilidade? E quem é o ser superior que possui a capacidade superior ao restante ou autorização consensual universal para decidir quais opiniões são permissíveis e quais são censuráveis? Ou tudo que é contra as suas crenças é passível de censura?

#34 Alex

Alex
  • Membros do Fórum
  • 910 posts
  • LocationCordeirópolis - SP

Postado 11/05/2016 - 01:32:15

O tópico tá rendendo mais do que eu pensei que renderia...

 

Enfim, alguém lá atrás perguntou o que eu quis dizer com "medir" um suposto comentário homofóbico. Entendo que é diferente você dar a sua opinião de forma sensata apresentando argumentos, ou simplesmente partir para uma declaração agressiva e ofensiva.

 

Só que, para muitas pessoas essa medição não existe e elas acabam entendendo todos os comentários como ataques e agressões. No meu ponto de vista, o primeiro comentário deve ser julgado de forma diferente do segundo.



#35 Ikkarin

Ikkarin
  • Membros do Fórum
  • 17 posts

Postado 11/05/2016 - 01:40:28

Levando como base essa sua linha de pensamento, não poderiam ser considerados normais também o sexo em locais publicos, o canibalismo e a zoofilia? Afinal temos inúmeros casos destes na história e na natureza...

 

Na verdade eu esperava que você citasse incesto e pedofilia, mas a incoerência foi bem pior.

Humanos possuem o conceito de privacidade e pudor; o canibalismo não é inerente à espécie humana; e por fim, não acho que haja registro de espécies animais que tem relações sexuais com espécies alheias (com a exceção de cruzamentos inférteis).

 

Diferente das três imoralidades que você ofereceu, o homossexualismo não é socialmente maléfico ou força uma relação sem consentimento para uma das partes.

Logo, não há base pra essa analogia.

 

A questão é que quando tratamos destes assuntos em âmbito humano, lidamos com outras questões que não são inerentes à animais irracionais, como moralidade, ética, crenças, costumes e culturas localizadas e afins. Todas estas questões subjetivas.

 

Mais uma vez, você falha em entender que uma relação homossexual não concerne a ninguém mais do que dois adultos que consentem na própria. Não há outro conceito moral ou ético que possa subverter isso. Crenças e costumes são uma tentativa de impor desnecessariamente a opinião de outras pessoas.

 

Eu não tenho, e nem posso ter, o poder de decidir se tais práticas estão certas ou erradas e proibí-las. Ninguém deveria ter esta autoridade a fim de não atacar a liberdade de decisão alheia, mas deveria minha liberdade de julgamento ser retirada por causa de proteções à determinados grupos? Ninguém está defendendo que os homossesxuais tenham que ser discriminados, eu sou a favor deles terem espaço no mundo, mas também sou a favor que todos possam opinar sobre tais assuntos, independentemente se forem contra ou a favor.

 

Novamente: ninguém está impedindo você de dar sua opinião.

Mas ela é irrelevante.

 

E você precisa arcar com as consequências de tê-la exposto.



#36 Flame Haze

Flame Haze
  • Guests

Postado 11/05/2016 - 02:08:56

Ricardo Raionhardt, eu achei que você foi perfeito no seu comentário, gosto muito dos seus comentários. Parabéns.

 

(pra dizer a verdade eu estava até esperando você chegar e comentar, queria ler o que você tinha a dizer)

 

Abraço.



#37 Estrelaura☆

Estrelaura☆

    Time + Hope = ☹

  • Membros do Fórum
  • 338 posts
  • LocationQuantum void, 1995

Postado 11/05/2016 - 09:46:14

Que tipo de responsabilidade? E quem é o ser superior que possui a capacidade superior ao restante ou autorização consensual universal para decidir quais opiniões são permissíveis e quais são censuráveis? Ou tudo que é contra as suas crenças é passível de censura?

A responsabilidade decorre do fato de que cada mínima ação de qualquer ser tem um impacto gigantesco. Ao conceder o direito de se fazer e falar o que bem entende a indivíduos que não tem consciência disso (vide a própria Patrícia Abravanel), os impactos negativos ocorrem com muito mais frequência. Quem decide o que é PUNÍVEL (já que punição não caracteriza censura, ao meu ver) é a sociedade em si, que nesse caso, deveria ser informada. 



#38 Ikkarin

Ikkarin
  • Membros do Fórum
  • 17 posts

Postado 11/05/2016 - 10:14:02

A definição de homofobia é repulsa ou ódio contra homossexuais. Só e somente isso.

Se sua opinião acaba por se encaixar num discurso de ódio ou repulsa por homossexuais, sua opinião é homofóbica. É uma conclusão lógica.

 

Por alguma razão o tópico saiu rolando pra longe do assunto.

Reitero: homossexuais não estão fora do escopo crítico. Vocês podem criticar homossexuais sim.

Mas arquem com as consequências da fala. Vivemos num mundo assim.

 

Do nada o cara começou a falar de Jean Wyllys

que



#39 Adonai

Adonai

    ~ ::- Nothing -:: ~

  • Membros do Fórum
  • 616 posts
  • LocationEm todo lugar

Postado 11/05/2016 - 11:10:19

Dizer não achar uma prática normal é dizer que você odeia as pessoas que praticam?

 

Eu não acho a prática de escrever com a mão direita normal. Eu não consigo ver o ato de escrever com a mão direita como algo que teria alguma possibilidade de fazer um dia. Digo mais, eu abomino essa prática por motivos óbvios: eu sou canhoto.

Isso me torna um destrofóbico? Quer dizer que eu odeio pessoas que escrevem com a mão direita? Não. Só quer dizer que eu não escreveria com a mão direita nem que me pagassem pra isso. Não tenho nada contra quem faz, mas o ato em si é desprezado por mim.

 

Agora, vai aplicar a lógica de que você não tem nada contra os homossexuais, mas não acha normal a ideia de dar o rabo e não o faria nem que te pagassem pra isso. Vê o que te acontece.



#40 Ikkarin

Ikkarin
  • Membros do Fórum
  • 17 posts

Postado 11/05/2016 - 11:20:29

Dizer não achar uma prática normal é dizer que você odeia as pessoas que praticam?

 

Eu não acho a prática de escrever com a mão direita normal. Eu não consigo ver o ato de escrever com a mão direita como algo que teria alguma possibilidade de fazer um dia. Digo mais, eu abomino essa prática por motivos óbvios: eu sou canhoto.

Isso me torna um destrofóbico? Quer dizer que eu odeio pessoas que escrevem com a mão direita? Não. Só quer dizer que eu não escreveria com a mão direita nem que me pagassem pra isso. Não tenho nada contra quem faz, mas o ato em si é desprezado por mim.

 

Agora, vai aplicar a lógica de que você não tem nada contra os homossexuais, mas não acha normal a ideia de dar o rabo e não o faria nem que te pagassem pra isso. Vê o que te acontece.

 

Eu ia perguntar porque você acha repulsivo o pensamento de escrever com a mão direita, mas seria infrutífero.

De qualquer forma, se formos pela sua analogia, na realidade ninguém está exigindo que você escreva com a direita, e além disso, a "decisão" de que mão se deve escrever cabe aos donos das mãos e a mais ninguém. Você só quis dizer que você não tem uma base sólida pra sentir repulsa por homossexuais.

 

Escrever com a mão direita é normal. Escrever com a mão esquerda também. São condições humanas que coexistem e não há a necessidade de repulsa.

 

Patrícia Abravanel é uma comunicadora e tem uma responsabilidade social enorme, principalmente num país onde a televisão educa mais que a escola. Ela tem a obrigação de ser bem-informada e não falar merda irresponsável em rede nacional.



#41 Adonai

Adonai

    ~ ::- Nothing -:: ~

  • Membros do Fórum
  • 616 posts
  • LocationEm todo lugar

Postado 11/05/2016 - 11:57:18

Eu ia perguntar porque você acha repulsivo o pensamento de escrever com a mão direita, mas seria infrutífero.

De qualquer forma, se formos pela sua analogia, na realidade ninguém está exigindo que você escreva com a direita, e além disso, a "decisão" de que mão se deve escrever cabe aos donos das mãos e a mais ninguém.

Contrariando seu argumento, pelo menos onde eu e meus pais viviam, não só dentro de casa como nas escolas as crianças eram obrigadas a escrever com a mão direita.

Quando eu era pequeno, meus pais amarravam minha mão esquerda nas costas e tentavam a todo custo me fazer escrever com a direita.

 

Mas ignorando o fato de isso acontecer muito até pelo menos os anos 70 (e eu ter sofrido com isso ao completar 3 anos em 1998) e partindo ainda da analogia da mão esquerda ou mão direita:

Eu acho repulsivo o fato de EU escrever com a mão direita. Justamente porque sou canhoto, minha condição natural é escrever com a esquerda. Estatisticamente é normal escrever com a direita? É. Estatisticamente com a esquerda? Talvez.

Mas o fato é que eu não consigo pensar em mim mesmo escrevendo com a mão direita. E, com base nos padrões em que eu costumo viver, não acho isso normal porque não é o que eu faria, em hipótese alguma.

Digo que não é normal pra mim. E a ideia de fazê-lo, em minha concepção, é abominável. Especialmente porque já tentaram forçar.

Ainda assim, se para outra pessoa é normal, não tenho nada contra ela. Afinal, até que algo diga o contrário, é definido algo natural.

 

Você só quis dizer que você não tem uma base sólida pra sentir repulsa por homossexuais.

 

Não. O que quero dizer é que tenho repulsa pela prática homossexual.

"É a mesma coisa" - Não.

Deixe te explicar: Independente do que faz no quarto ou não, pra mim pessoas são pessoas. Fazem o que querem e eu não tenho nada a ver com isso. Enquanto alguém não quiser dizer "eu sou gay" eu nunca vou saber, e nem é do meu interesse saber disso ou não.

Estamos de acordo até o seguinte ponto? Espero que sim.

O problema começa, realmente, quando aquele bando de ativistas começam a tentar forçar a homossexualidade e dizer pra respeitar porque são homossexuais.

Velho. Antes de sabermos sesão homossexuais ou não, já tinham o respeito. Não precisa sair usando sua sexualidade pra garantir isso. Essa atitude é realmente nojenta.

Primeiro, que as pessoas julgam primeiramente a prática segundo o que elas mesmas praticam. Se alguém for hétero, vai rejeitar a prática homossexual para si no mesmo instante. Não vai odiar os homossexuais nem nada. (Afinal, quanto mais homens gays existirem mais mulheres sobram pros héteros. Tem como odiar uma raça dessas? huehuehuehuehuehuehuehue)

O problema é que as pessoas tomam uma prática específica como parte de sua identidade e, a partir do momento em que alguém diz que repudia a prática (um jeito de dizer que ela mesma não faria aquilo), as pessoas costumam tomar isso como uma ofensa pessoal.

 

O que as pessoas, no caso, os ativistas LGBT, geralmente fazem é associar a frase "eu não gostaria de fazer isso. Pensar em fazer isso me enoja" com "Você faz isso? Você me enoja". Isso é burrice.

 

E o que outras pessoas, burras do mesmo jeito, fazem, é ligar o ato dos ativistas de dizerem "eu sou homossexual, me respeite por isso e aceite o que eu disser se não eu te processo por discriminação" com o próprio ato do homossexualismo, que não tem nada a ver com as pessoas babacas que usam isso como bandeira política pra conseguir privilégios.

Unindo esses babacas com a prática em si (cuja já acham no mínimo medonha, pois nunca pensariam em fazer isso na vida), acham que todos os homossexuais são imbecis do mesmo jeito. E quem é que não odeia aquilo que acha imbecil e inescrupuloso? A atitude inescrupulosa de tentar conseguir privilégios com base na sexualidade é inevitavelmente (e erroneamente) ligada à prática homossexual, e isso gera o ódio absoluto por quem pratica.

 

"E a base?" É só um pensamento. É só uma teoria. Não tenho dados pra comprovar. É a minha opinião.

 

Patrícia Abravanel é uma comunicadora e tem uma responsabilidade social enorme, principalmente num país onde a televisão educa mais que a escola. Ela tem a obrigação de ser bem-informada e não falar merda irresponsável em rede nacional.

Ela é um ser humano e não está isenta de julgar com base no que ela está acostumada a fazer ou não. Ela não acha normal? É simplesmente porque ela não faria. Como ela mesmo disse, não tem nada contra quem faz, mas particularmente não acha a prática (não a pessoa que pratica) normal.



#42 Ikkarin

Ikkarin
  • Membros do Fórum
  • 17 posts

Postado 11/05/2016 - 12:17:41

Contrariando seu argumento, pelo menos onde eu e meus pais viviam, não só dentro de casa como nas escolas as crianças eram obrigadas a escrever com a mão direita.

Quando eu era pequeno, meus pais amarravam minha mão esquerda nas costas e tentavam a todo custo me fazer escrever com a direita.

 

Mas ignorando o fato de isso acontecer muito até pelo menos os anos 70 (e eu ter sofrido com isso ao completar 3 anos em 1998) e partindo ainda da analogia da mão esquerda ou mão direita:

Eu acho repulsivo o fato de EU escrever com a mão direita. Justamente porque sou canhoto, minha condição natural é escrever com a esquerda. Estatisticamente é normal escrever com a direita? É. Estatisticamente com a esquerda? Talvez.

Mas o fato é que eu não consigo pensar em mim mesmo escrevendo com a mão direita. E, com base nos padrões em que eu costumo viver, não acho isso normal porque não é o que eu faria, em hipótese alguma.

Digo que não é normal pra mim. E a ideia de fazê-lo, em minha concepção, é abominável. Especialmente porque já tentaram forçar.

Ainda assim, se para outra pessoa é normal, não tenho nada contra ela. Afinal, até que algo diga o contrário, é definido algo natural.

 

No passado, as pessoas achavam que sinistrismo era um defeito ou uma doença. Felizmente a ciência foi capaz de dispersar essa ignorância. O mesmo com a homossexualidade.

 

Como eu disse, a mão que você usa pra escrever, ou analogamente, a sua orientação sexual, é algo que toca somente a você. Logo, é irrelevante se você é canhoto e sente repulsa por destrismo, ou se você é hétero e sente repulsa por uma relação homossexual. Sua concepção não pode ser dita como homofóbica - é algo seu - mas de modo algum é base pra opinar sobre relações alheias. Você não pode dizer que é abominável pra sociedade porque é abominável pra você, e você não deveria influenciar outras pessoas a pensar da mesma forma. A ignorância que deu origem à repreensão do sinistrismo (e por extensão, da homossexualidade) vem desse seu pensamento, e por isso você se torna responsável por essas consequências.

 

Nada longe do que eu queria dizer.

 

O problema começa, realmente, quando aquele bando de ativistas começam a tentar forçar a homossexualidade.

 
Defina "forçar".
 

Ela é um ser humano e não está isenta de julgar com base no que ela está acostumada a fazer ou não. Ela não acha normal? É simplesmente porque ela não faria. Como ela mesmo disse, não tem nada contra quem faz, mas particularmente não acha a prática (não a pessoa que pratica) normal.

 

Como eu disse anteriormente, ela é responsável pela ignorância que ela está espalhando com base em algo que não cabe a ela dizer. Isso é grave principalmente pela posição que ela ocupa.



#43 Adonai

Adonai

    ~ ::- Nothing -:: ~

  • Membros do Fórum
  • 616 posts
  • LocationEm todo lugar

Postado 11/05/2016 - 12:43:47

No passado, as pessoas achavam que sinistrismo era um defeito ou uma doença. Felizmente a ciência foi capaz de dispersar essa ignorância. O mesmo com a homossexualidade.

 

Como eu disse, a mão que você usa pra escrever, ou analogamente, a sua orientação sexual, é algo que toca somente a você. Logo, é irrelevante se você é canhoto e sente repulsa por destrismo, ou se você é hétero e sente repulsa por uma relação homossexual. Sua concepção não pode ser dita como homofóbica - é algo seu - mas de modo algum é base pra opinar sobre relações alheias. Você não pode dizer que é abominável pra sociedade porque é abominável pra você, e você não deveria influenciar outras pessoas a pensar da mesma forma. A ignorância que deu origem à repreensão do sinistrismo (e por extensão, da homossexualidade) vem desse seu pensamento, e por isso você se torna responsável por essas consequências.

 

Nada longe do que eu queria dizer.

Alguém chegou dizer que estatisticamente não é normal? Alguém chegou a dizer que a prática em si faz mal pra alguém?

Acho que não.

Acho que o que disse é que não acho, particularmente, normal (para mim).

Não pedi projeto de lei para criminalizar o destrismo ou a homossexualidade. Não estou fazendo militância para que nenhum dos dois seja abolido.

O que fiz foi expressar a minha opinião acerca do que é da minha concepção, no particular. Para mim, não é normal.

Isso é ofensivo? Não depende mais de mim.

A questão é que não dá pra querer censurar a opinião de ninguém. E, com certeza, não dá pra processar alguém por ter esse tipo de opinião. Afinal, não falo das pessoas. Falo de uma prática em si.

 

 

Defina "forçar".

"Olhe para mim, eu sou homossexual. Não basta você entender que o que eu faço não depende da sua opinião ou do que você acha normal, você precisa, de toda a forma, não só achar isso bonito como defender isso com todas as forças que você tiver. E se perguntar porque deveria fazer isso, te processo por homofobia".

Pronto, está definido.

 

 

Como eu disse anteriormente, ela é responsável pela ignorância que ela está espalhando com base em algo que não cabe a ela dizer. Isso é grave principalmente pela posição que ela ocupa.

Expressar opinião pessoal não resulta em diretamente implantar opinião na cabeça dos outros.

Se alguém diz que não acha normal, de acordo com o seu particular, isso não vai mudar a cabeça de ninguém.

Claro, não esquecendo da parte em que diz que não tem nada contra quem o faz, o que dá mais um reforço de "estou pouco me fodendo pro que vocês fazem entre quatro paredes. Só não tentem me fazer achar que isso é bonito".

Se isso é desinformação, então o que na sua mente é informação?



#44 Ikkarin

Ikkarin
  • Membros do Fórum
  • 17 posts

Postado 11/05/2016 - 13:04:25

Alguém chegou dizer que estatisticamente não é normal? Alguém chegou a dizer que a prática em si faz mal pra alguém?

Acho que não.

Acho que o que disse é que não acho, particularmente, normal (para mim).

Não pedi projeto de lei para criminalizar o destrismo ou a homossexualidade. Não estou fazendo militância para que nenhum dos dois seja abolido.

O que fiz foi expressar a minha opinião acerca do que é da minha concepção, no particular. Para mim, não é normal.

Isso é ofensivo? Não depende mais de mim.

A questão é que não dá pra querer censurar a opinião de ninguém. E, com certeza, não dá pra processar alguém por ter esse tipo de opinião. Afinal, não falo das pessoas. Falo de uma prática em si.

 

Não é porque você não toma ações diretas que você não tem responsabilidade pelas consequências indiretas que o seu poder de fala tem. Projetos de lei para criminalizar homofobia são necessários porque esse "não é normal" que se espalha pelos ouvidos da pessoas cria uma reação em cadeia que motiva pessoas de má intenção a cometerem crimes contra essas pessoas baseadas nesse pensamento falho. 

 

Mais uma vez só pra você: você está falando de algo que não lhe concerne. Logo, sua opinião não precisa ser considerada e não pode ser capaz de influenciar outras pessoas.

Isso não é uma simples prática - tanto quanto escrever com uma mão esquerda ou direita, ser homossexual é tão normal quanto ser heterossexual. Estamos falando de pessoas que não podem mudar essas condições.

 

"Olhe para mim, eu sou homossexual. Não basta você entender que o que eu faço não depende da sua opinião ou do que você acha normal, você precisa, de toda a forma, não só achar isso bonito como defender isso com todas as forças que você tiver. E se perguntar porque deveria fazer isso, te processo por homofobia".

Pronto, está definido.

 

Isso não acontece na realidade.

 

Expressar opinião pessoal não resulta em diretamente implantar opinião na cabeça dos outros.

Se alguém diz que não acha normal, de acordo com o seu particular, isso não vai mudar a cabeça de ninguém.

 

Eu expliquei duas vezes a responsabilidade que ela carrega sobre o discurso justamente porque ela é informalmente uma educadora e por alguma razão você tá escolhendo ignorar.

O que ela disse influencia as massas sim. Se ela disse que não acha normal, as pessoas menos informadas vão reforçar isso e replicar informação errada e preconceito por culpa dela.

 

Claro, não esquecendo da parte em que diz que não tem nada contra quem o faz, o que dá mais um reforço de "estou pouco me fodendo pro que vocês fazem entre quatro paredes. Só não tentem me fazer achar que isso é bonito".

Se isso é desinformação, então o que na sua mente é informação?

 

Não foi isso que ela disse.

E o que faz você achar que isso contribui pra alguma coisa, de um jeito ou de outro? Informação errada é desserviço.



#45 Super Solaris

Super Solaris

    Superdimensional lifeform

  • Membros do Fórum
  • 4.517 posts
  • LocationBoituva-SP

Postado 11/05/2016 - 13:52:11

No passado, as pessoas achavam que sinistrismo era um defeito ou uma doença. Felizmente a ciência foi capaz de dispersar essa ignorância. O mesmo com a homossexualidade.

 

Como eu disse, a mão que você usa pra escrever, ou analogamente, a sua orientação sexual, é algo que toca somente a você. Logo, é irrelevante se você é canhoto e sente repulsa por destrismo, ou se você é hétero e sente repulsa por uma relação homossexual. Sua concepção não pode ser dita como homofóbica - é algo seu - mas de modo algum é base pra opinar sobre relações alheias. Você não pode dizer que é abominável pra sociedade porque é abominável pra você, e você não deveria influenciar outras pessoas a pensar da mesma forma. A ignorância que deu origem à repreensão do sinistrismo (e por extensão, da homossexualidade) vem desse seu pensamento, e por isso você se torna responsável por essas consequências.

 

Como eu disse anteriormente, ela é responsável pela ignorância que ela está espalhando com base em algo que não cabe a ela dizer. Isso é grave principalmente pela posição que ela ocupa.

 

Não é porque você não toma ações diretas que você não tem responsabilidade pelas consequências indiretas que o seu poder de fala tem. Projetos de lei para criminalizar homofobia são necessários porque esse "não é normal" que se espalha pelos ouvidos da pessoas cria uma reação em cadeia que motiva pessoas de má intenção a cometerem crimes contra essas pessoas baseadas nesse pensamento falho. 

 

Mais uma vez só pra você: você está falando de algo que não lhe concerne. Logo, sua opinião não precisa ser considerada e não pode ser capaz de influenciar outras pessoas.

Isso não é uma simples prática - tanto quanto escrever com uma mão esquerda ou direita, ser homossexual é tão normal quanto ser heterossexual. Estamos falando de pessoas que não podem mudar essas condições.

 

 

Isso não acontece na realidade.

 

 

Eu expliquei duas vezes a responsabilidade que ela carrega sobre o discurso justamente porque ela é informalmente uma educadora e por alguma razão você tá escolhendo ignorar.

O que ela disse influencia as massas sim. Se ela disse que não acha normal, as pessoas menos informadas vão reforçar isso e replicar informação errada e preconceito por culpa dela.

 

 

Não foi isso que ela disse.

E o que faz você achar que isso contribui pra alguma coisa, de um jeito ou de outro? Informação errada é desserviço.

 

Aí entra a questão fundamental desta discussão: Palavras influenciam as pessoas ou as pessoas se deixam serem influenciadas? E sim, há uma diferença enorme entre os dois, pois o primeiro implica que as palavras te forçam a ter uma ideologia ou ação, enquanto que o segundo implica que são as pessoas que se deixam levar por palavras, e que as palavras sozinhas não possuem força alguma e são perfeitamente bloqueáveis para quem possui mente forte e esclarecida. Eu acredito totalmente na segunda.

 

Em essência, é o mesmo caso de um marido que foi traído por sua esposa no sofá da sala, e o cara resolve se livrar do sofá. Será que foi o sofá que influenciou a esposa a transar com outro, foi o sofá que entrou em suas mentes ou as pessoas que usaram o sofá para cometer algo que queriam?

Ou melhor, os casos em que a mídia coloca a culpa da violência nos video-games. Será que os video-games realmente entram na mente dos jovens, ou são os jovens de mente fraca que se deixam levar pela experiência que possuem nos jogos e a mídia e os jovens usam os video-games como desculpa, como bode expiatório para uma questão que envolve muito mais variáveis?

 

 

A definição de homofobia é repulsa ou ódio contra homossexuais. Só e somente isso.

Se sua opinião acaba por se encaixar num discurso de ódio ou repulsa por homossexuais, sua opinião é homofóbica. É uma conclusão lógica.

 

Por alguma razão o tópico saiu rolando pra longe do assunto.

Reitero: homossexuais não estão fora do escopo crítico. Vocês podem criticar homossexuais sim.

Mas arquem com as consequências da fala. Vivemos num mundo assim.

A própria etimologia da palavra "Homofobia" está errada, pois "fobia" não significa repulsa ou ódio. "Fobia" significa medo, ou pavor. 

A grande questão é: O que julgar como crítica e o que é discurso de ódio, e como definir uma linha que separe ambos?

E é tudo isto passível de penalização perante a lei? Eu posso ser penalizado ou ofendido apenas por ter uma opinião que diverge da sua, sendo que não há como definir o que é certo ou errado sem que isto recorra a práticas ditatoriais e totalitaristas? 

 

 

 

Na verdade eu esperava que você citasse incesto e pedofilia, mas a incoerência foi bem pior.

Humanos possuem o conceito de privacidade e pudor; o canibalismo não é inerente à espécie humana; e por fim, não acho que haja registro de espécies animais que tem relações sexuais com espécies alheias (com a exceção de cruzamentos inférteis).

 

Diferente das três imoralidades que você ofereceu, o homossexualismo não é socialmente maléfico ou força uma relação sem consentimento para uma das partes.

Logo, não há base pra essa analogia.

Não citei incesto ou pedofilia pois no caso do incesto há um mal inerente a esta prática que é a homogeneização do DNA da espécie, tanto é que a maioria das espécies de animais instintivamente evitam este tipo de prática, e o caso da pedofilia também poderia se enquadrar, apesar de ser bem raro isto na natureza pois filhotes não tem hormônios para atrair parceiros. 

 

Já o caso dos que citei: Você falou em privacidade e pudor, ambos conceitos subjetivos e pessoais, que se enquadram no mesmo grupo dos outros conceitos que citei, como [color=rgb(40,40,40);font-family:helvetica, arial, sans-serif;]moralidade, ética, crenças, costumes e afins[/color], ou seja, conceitos que, apesar de poderem ser moldados de acordo com o ambiente que cada um vive, variam de acordo com cada pessoa e são diferentes em cada sociedade, e são os conceitos que moldam as ideologias e a forma de pensar. Não há uma regra que estipule quais estão corretos ou errados, pois isto implicaria na unificação da forma de pensar das pessoas e isto é impossível. 

E como falar que o canibalismo não é inerente ao ser humano, sendo que houveram e há milhares de diferentes culturas, povos e sociedades que adotaram e adotam esta prática? Temos inúmeros exemplos de casos de canibalismo e antropofagismo, inclusive casos em que já salvou vidas em situações de extrema necessidade.

E zoofilia não implica necessariamente em uma relação não-consensual e nunca vai gerar descendentes, com diversos casos na natureza. Não é incomum encontrar Elefantes e Rinocerontes acasalando, ou aves de diferentes espécies. Isto é muito comum visto em animais de fazenda também.

E ambas são práticas naturais e que não necessariamente implicam em prejuízos ao indivíduo, então seguindo sua linha de raciocínio que você apresentou anteriormente, não seriam tão aceitáveis quanto o homossexualismo? Porque diferenciá-los neste contexto?

 

Aí você cita "socialmente maléfico". O que seria isso e quem decide o que é maléfico ou não? Agora, quem é você para decidir o que é imoral ou o que é maléfico para as outras pessoas?

 

 

Mais uma vez, você falha em entender que uma relação homossexual não concerne a ninguém mais do que dois adultos que consentem na própria. Não há outro conceito moral ou ético que possa subverter isso. Crenças e costumes são uma tentativa de impor desnecessariamente a opinião de outras pessoas.

E você falha em entender que ninguém está defendendo a proibição penal do homossexualismo, mas sim a permisão de se posicionar contra uma prática.
Sobre crenças e costumes, são conceitos, junto de moralidade, ética e pudor que são inerente à existência e consciência humana e formam e integram grupos sociais, cada um tem sua moral, sua ética, seu pudor, sua necessidade de privacidade, e isto varia de pessoa para pessoa. Não são tentativas de impor uma opinião, mas fazem parte da essência de uma sociedade e moldam a forma de pensar de um ser humano. Sem estes conceitos, a própria consciência do ser humano e as sociedades diversificadas não existiriam, seriamos como as sociedade de formigas ou abelhas.
 

Novamente: ninguém está impedindo você de dar sua opinião.

Mas ela é irrelevante.

 

E você precisa arcar com as consequências de tê-la exposto.

Isto inclui penalidades legais? Se sim, isto é basicamente censura.
 

A responsabilidade decorre do fato de que cada mínima ação de qualquer ser tem um impacto gigantesco. Ao conceder o direito de se fazer e falar o que bem entende a indivíduos que não tem consciência disso (vide a própria Patrícia Abravanel), os impactos negativos ocorrem com muito mais frequência. Quem decide o que é PUNÍVEL (já que punição não caracteriza censura, ao meu ver) é a sociedade em si, que nesse caso, deveria ser informada. 

Que impactos negativos?

A questão em si não é a sociedade julgar a opinião alheia, pois isto é inerente a liberdade de opinião, mas a partir do momento em que uma opinião pode ser considerada como crime judicialmente, aonde a base de sua atuação é "Todos iguais perante a lei", ou seja, a liberdade de julgar interferir na liberdade de opinião, aí sim isto se caracteriza como censura. 

 

 



#46 Ken

Ken
  • Membros do Fórum
  • 3.187 posts

Postado 11/05/2016 - 13:53:49

ela tem o direito de dizer oq quiser dos gays

 

e os gays tem o direito de reagir, criticar e boicotar

 

life is simple

 

sem meter o estado no meio



#47 Ikkarin

Ikkarin
  • Membros do Fórum
  • 17 posts

Postado 11/05/2016 - 14:22:24

Aí entra a questão fundamental desta discussão: Palavras influenciam as pessoas ou as pessoas se deixam serem influenciadas? E sim, há uma diferença enorme entre os dois, pois o primeiro implica que as palavras te forçam a ter uma ideologia ou ação, enquanto que o segundo implica que são as pessoas que se deixam levar por palavras, e que as palavras sozinhas não possuem força alguma e são perfeitamente bloqueáveis para quem possui mente forte e esclarecida. Eu acredito totalmente na segunda.

 

Em essência, é o mesmo caso de um marido que foi traído por sua esposa no sofá da sala, e o cara resolve se livrar do sofá. Será que foi o sofá que influenciou a esposa a transar com outro, foi o sofá que entrou em suas mentes ou as pessoas que usaram o sofá para cometer algo que queriam?

Ou melhor, os casos em que a mídia coloca a culpa da violência nos video-games. Será que os video-games realmente entram na mente dos jovens, ou são os jovens de mente fraca que se deixam levar pela experiência que possuem nos jogos e a mídia e os jovens usam os video-games como desculpa, como bode expiatório para uma questão que envolve muito mais variáveis?

 

É aí que mora o problema: não estamos lidando com o segundo caso. Que boa parte da população do país é influenciada facilmente pela televisão é um fato, e a educação necessária pra desenvolver um senso crítico é insuficiente pra que haja um equilíbrio. Por isso a responsabilidade da fala se multiplica cada vez mais.

 

Não sei o que você quis dizer com a analogia do sofá. Ela pouco tem a ver com o assunto em questão.

Mas quanto à do videogame, ao comparar com o caso da Patrícia Abravanel, você está ignorando que o conteúdo do videogame tenha alguma parte da culpa. Temos uma audiência influenciável e uma comunicadora mal-informada.

 

É claro - esse tipo de discurso não é a causa direta pras atrocidades que acontecem por aí contra minorias, mas são a origem da motivação das tais.

 

A própria etimologia da palavra "Homofobia" está errada, pois "fobia" não significa repulsa ou ódio. "Fobia" significa medo, ou pavor. 

A grande questão é: O que julgar como crítica e o que é discurso de ódio, e como definir uma linha que separe ambos?

E é tudo isto passível de penalização perante a lei? Eu posso ser penalizado ou ofendido apenas por ter uma opinião que diverge da sua, sendo que não há como definir o que é certo ou errado sem que isto recorra a práticas ditatoriais e totalitaristas? 

 

Essa não

O [color=rgb(255,215,0);][font="'comic sans ms', cursive;"]milho verde[/color][/font] não é [font="'comic sans ms', cursive;"][color=rgb(0,128,0);]verde[/color][/font]

 

Isso uma ótima pergunta. Não tenho uma resposta que resolva isso rapidamente.

Mas para o caso da Patrícia, o que é claro é que ela deveria ter mais cuidado por causa da função social dela.

 

Já o caso dos que citei: Você falou em privacidade e pudor, ambos conceitos subjetivos e pessoais, que se enquadram no mesmo grupo dos outros conceitos que citei, como [color=rgb(40,40,40);font-family:helvetica, arial, sans-serif;]moralidade, ética, crenças, costumes e afins[/color], ou seja, conceitos que, apesar de poderem ser moldados de acordo com o ambiente que cada um vive, variam de acordo com cada pessoa e são diferentes em cada sociedade, e são os conceitos que moldam as ideologias e a forma de pensar. Não há uma regra que estipule quais estão corretos ou errados, pois isto implicaria na unificação da forma de pensar das pessoas e isto é impossível. 

E como falar que o canibalismo não é inerente ao ser humano, sendo que houveram e há milhares de diferentes culturas, povos e sociedades que adotaram e adotam esta prática? Temos inúmeros exemplos de casos de canibalismo e antropofagismo, inclusive casos em que já salvou vidas em situações de extrema necessidade.

E zoofilia não implica necessariamente em uma relação não-consensual e nunca vai gerar descendentes, com diversos casos na natureza. Não é incomum encontrar Elefantes e Rinocerontes acasalando, ou aves de diferentes espécies. Isto é muito comum visto em animais de fazenda também.

E ambas são práticas naturais e que não necessariamente implicam em prejuízos ao indivíduo, então seguindo sua linha de raciocínio que você apresentou anteriormente, não seriam tão aceitáveis quanto o homossexualismo? Porque diferenciá-los neste contexto?

 

Você ainda precisa me dizer porque é necessário que outros valores morais (além dos que eu mencionei) afetem a quem concerne um relacionamento homossexual.

 

O canibalismo não é uma condição inata humana como a homossexualidade é. Não sei se pelo menos há algum registro médico disso.

No passado, era praticado por razões religiosas (os primeiros indígenas brasileiros achavam que ao comer a carne do inimigo, a força e o vigor passariam pra eles, e por aí vai).

(Será que não causa prejuízos pra um dos indivíduos envolvidos? Hmm)

 

Relacionamento interespécies é automaticamente uma relação não-consensual porque animais não possuem o conceito de consentimento informado que humanos tem. Ué?

 

Pronto - estão propriamente diferenciados e separados.

 

Pro resto do texto eu vou ter que deixar pra outra pessoa. Vou ter que sair a qualquer momento.

 

Aí entra a questão fundamental desta discussão: Palavras influenciam as pessoas ou as pessoas se deixam serem influenciadas? E sim, há uma diferença enorme entre os dois, pois o primeiro implica que as palavras te forçam a ter uma ideologia ou ação, enquanto que o segundo implica que são as pessoas que se deixam levar por palavras, e que as palavras sozinhas não possuem força alguma e são perfeitamente bloqueáveis para quem possui mente forte e esclarecida. Eu acredito totalmente na segunda.

 

Em essência, é o mesmo caso de um marido que foi traído por sua esposa no sofá da sala, e o cara resolve se livrar do sofá. Será que foi o sofá que influenciou a esposa a transar com outro, foi o sofá que entrou em suas mentes ou as pessoas que usaram o sofá para cometer algo que queriam?

Ou melhor, os casos em que a mídia coloca a culpa da violência nos video-games. Será que os video-games realmente entram na mente dos jovens, ou são os jovens de mente fraca que se deixam levar pela experiência que possuem nos jogos e a mídia e os jovens usam os video-games como desculpa, como bode expiatório para uma questão que envolve muito mais variáveis?

 

 

A própria etimologia da palavra "Homofobia" está errada, pois "fobia" não significa repulsa ou ódio. "Fobia" significa medo, ou pavor. 

A grande questão é: O que julgar como crítica e o que é discurso de ódio, e como definir uma linha que separe ambos?

E é tudo isto passível de penalização perante a lei? Eu posso ser penalizado ou ofendido apenas por ter uma opinião que diverge da sua, sendo que não há como definir o que é certo ou errado sem que isto recorra a práticas ditatoriais e totalitaristas? 

 

 

 

Não citei incesto ou pedofilia pois no caso do incesto há um mal inerente a esta prática que é a homogeneização do DNA da espécie, tanto é que a maioria das espécies de animais instintivamente evitam este tipo de prática, e o caso da pedofilia também poderia se enquadrar, apesar de ser bem raro isto na natureza pois filhotes não tem hormônios para atrair parceiros. 

 

Já o caso dos que citei: Você falou em privacidade e pudor, ambos conceitos subjetivos e pessoais, que se enquadram no mesmo grupo dos outros conceitos que citei, como [color=rgb(40,40,40);font-family:helvetica, arial, sans-serif;]moralidade, ética, crenças, costumes e afins[/color], ou seja, conceitos que, apesar de poderem ser moldados de acordo com o ambiente que cada um vive, variam de acordo com cada pessoa e são diferentes em cada sociedade, e são os conceitos que moldam as ideologias e a forma de pensar. Não há uma regra que estipule quais estão corretos ou errados, pois isto implicaria na unificação da forma de pensar das pessoas e isto é impossível. 

E como falar que o canibalismo não é inerente ao ser humano, sendo que houveram e há milhares de diferentes culturas, povos e sociedades que adotaram e adotam esta prática? Temos inúmeros exemplos de casos de canibalismo e antropofagismo, inclusive casos em que já salvou vidas em situações de extrema necessidade.

E zoofilia não implica necessariamente em uma relação não-consensual e nunca vai gerar descendentes, com diversos casos na natureza. Não é incomum encontrar Elefantes e Rinocerontes acasalando, ou aves de diferentes espécies. Isto é muito comum visto em animais de fazenda também.

E ambas são práticas naturais e que não necessariamente implicam em prejuízos ao indivíduo, então seguindo sua linha de raciocínio que você apresentou anteriormente, não seriam tão aceitáveis quanto o homossexualismo? Porque diferenciá-los neste contexto?

 

Aí você cita "socialmente maléfico". O que seria isso e quem decide o que é maléfico ou não? Agora, quem é você para decidir o que é imoral ou o que é maléfico para as outras pessoas?

 

 

E você falha em entender que ninguém está defendendo a proibição penal do homossexualismo, mas sim a permisão de se posicionar contra uma prática.
Sobre crenças e costumes, são conceitos, junto de moralidade, ética e pudor que são inerente à existência e consciência humana e formam e integram grupos sociais, cada um tem sua moral, sua ética, seu pudor, sua necessidade de privacidade, e isto varia de pessoa para pessoa. Não são tentativas de impor uma opinião, mas fazem parte da essência de uma sociedade e moldam a forma de pensar de um ser humano. Sem estes conceitos, a própria consciência do ser humano e as sociedades diversificadas não existiriam, seriamos como as sociedade de formigas ou abelhas.
 
Isto inclui penalidades legais? Se sim, isto é basicamente censura.
 

Que impactos negativos?

A questão em si não é a sociedade julgar a opinião alheia, pois isto é inerente a liberdade de opinião, mas a partir do momento em que uma opinião pode ser considerada como crime judicialmente, aonde a base de sua atuação é "Todos iguais perante a lei", ou seja, a liberdade de julgar interferir na liberdade de opinião, aí sim isto se caracteriza como censura. 

 


#48 Marmita TH

Marmita TH

    berimbau

  • Membros do Fórum
  • 376 posts

Postado 11/05/2016 - 14:43:48

Ninguém é obrigado a respeitar a opinião dos outros e isso não é uma afronta à liberdade de expressão. Se muitas pessoas discordam, acham justo se manifestar na internet e boicotar o programa, também não tem problema nenhum. Ambos estão exercendo sua liberdade. E outra, não é a primeira vez que aparece um manjador da psicologia de bar para dizer que o homossexualismo é anormal. Essa aí, como todos os outros, não se deu nem o trabalho de considerar a possibilidade de estar errada e ir pesquisar um pouco sobre o assunto. Só "acha" e sai falando.



#49 Ken

Ken
  • Membros do Fórum
  • 3.187 posts

Postado 11/05/2016 - 14:46:44

/



#50 Adonai

Adonai

    ~ ::- Nothing -:: ~

  • Membros do Fórum
  • 616 posts
  • LocationEm todo lugar

Postado 11/05/2016 - 15:18:48

Não é porque você não toma ações diretas que você não tem responsabilidade pelas consequências indiretas que o seu poder de fala tem. Projetos de lei para criminalizar homofobia são necessários porque esse "não é normal" que se espalha pelos ouvidos da pessoas cria uma reação em cadeia que motiva pessoas de má intenção a cometerem crimes contra essas pessoas baseadas nesse pensamento falho.

Artigo quinto da constituição: Todos são iguais perante a lei.

Se um gay se sentiu ofendido por algo relacionado à "homofobia", vá processar por discriminação. É simples. "Homofobia" é só uma desculpa pra ameaçar com algo que tenha pena mais grave... Privilégio.

 

 

Mais uma vez só pra você: você está falando de algo que não lhe concerne. Logo, sua opinião não precisa ser considerada e não pode ser capaz de influenciar outras pessoas.

Isso não é uma simples prática - tanto quanto escrever com uma mão esquerda ou direita, ser homossexual é tão normal quanto ser heterossexual. Estamos falando de pessoas que não podem mudar essas condições.

Assim como escrever com a mão esquerda é tão normal quanto escrever com a direita.

Estamos falando simplesmente de práticas. Nada mais que isso. Querendo ou não, isso é uma prática.

Achar uma prática normal ou não é relativo. Achar um comportamento normal ou não, é relativo.

Se uma pessoa não acha normal, simplesmente não acha normal. Não está forçando ninguém a parar, não está apontando uma arma na cabeça de ninguém.

 

 

Isso não acontece na realidade.

Sim. Isso acontece.

Afinal, ninguém considera crime ser homossexual. Mas me fala o que os ativistas LGBT querem, se não é isso? Vamos começar por onde? Pelas leis que os privilegiam como se precisassem estar acima dos outros(criminalização por homofobia, ao invés de usar o recurso de discriminação, quando necessário o de agressão física, e por aí vai, como com qualquer outra pessoa)? Por quererem não precisar usar o nome verdadeiro em serviço(o tal do nome social), por quererem fazer sexo em público (já fazem na parada gay), kit gay no primário, quando a criança nem sabe o que é isso e já querem influenciar todo mundo a ser gay... Por onde começamos a discutir sobre "isso não acontece na realidade"?  

 

Não é porque você não toma ações diretas que você não tem responsabilidade pelas consequências indiretas que o seu poder de fala tem. Projetos de lei para criminalizar

Eu expliquei duas vezes a responsabilidade que ela carrega sobre o discurso justamente porque ela é informalmente uma educadora e por alguma razão você tá escolhendo ignorar.

O que ela disse influencia as massas sim. Se ela disse que não acha normal, as pessoas menos informadas vão reforçar isso e replicar informação errada e preconceito por culpa dela.

Se está respondendo algo sobre opinião pessoal, a pessoa não pode se preocupar com o que os outros vão achar. Se não, não estaria expressando a opinião pessoal. E isso, você está tentando ignorar.

O que ela disse influencia? Talvez sim, talvez não. A questão é que opinião pessoal não é de caráter informativo. Isso, você está querendo ignorar também.

Preconceito? Ela não gostar de uma prática não é preconceito. Ela não gostar de pessoas por terem essa prática é preconceito.

Se as pessoas se influenciam com opinião pessoal, não é culpa de quem as tem, até porque ela só falou depois de perguntarem. Logo, ela não faz questão de esfregar isso na cara de todo mundo. "Olhem pra mim, eu não acho isso normal. Olhem como sou preconceituosa e aprendam comigo". Ela não fez isso.

 

Não foi isso que ela disse.

E o que faz você achar que isso contribui pra alguma coisa, de um jeito ou de outro? Informação errada é desserviço.

Opinião pessoal não precisa ter caráter informativo. Na verdade, se trata de opinião pessoal, não de dados e estatísticas.

Existe uma grande diferença entre ela dizer a opinião dela quando perguntam, e, no demais guardar pra si (coisa que é opinião particular), e tentar impor socialmente sua opinião particular, como já ouvi falar que o Marco Feliciano faz.



#51 Flame Haze

Flame Haze
  • Guests

Postado 11/05/2016 - 17:10:49

D'sparil olha esses videos:

 

https://www.youtube....h?v=4SU3jYgF7AY

 

 

https://www.youtube....h?v=lDEaOaxZd-8

 

 

(mandei de novo porque eu tinha mandado errado um dos links) 

 

Eu não gosto muito do jeito que o Olavo fala, as vezes é meio ofensivo, mas o que ele fala me parece muito correto. Faz total sentido pra mim.



#52 Super Solaris

Super Solaris

    Superdimensional lifeform

  • Membros do Fórum
  • 4.517 posts
  • LocationBoituva-SP

Postado 11/05/2016 - 21:19:17

É aí que mora o problema: não estamos lidando com o segundo caso. Que boa parte da população do país é influenciada facilmente pela televisão é um fato, e a educação necessária pra desenvolver um senso crítico é insuficiente pra que haja um equilíbrio. Por isso a responsabilidade da fala se multiplica cada vez mais.

Se o povo é facilmente influenciável por possuir instrução insuficiente é culpa unica e exclusivamente do povo. É o povo que tem que se virar para obter informação o suficiente para conseguir discernir certas informações. O único culpado por suas ações  consequências é do indivíduo que a cometeu, então é este que tem que ser cuidadoso para não ser levado para caminhos que possam lhe prejudicar.

Discursos nunca são os culpados, pois mentes fortes conseguem filtrar completamente as informações e agregar apenas aquilo que lhe vai agregar positivamente. Se uma pessoa é mente fraca, problema dela e ela que se vire para ser mente forte. É responsabilidade do receptor absorver as informações, não do transmissor, cuja responsabilidade é em ser honesto.

Transmissor transmite opiniões, mas opiniões são subjetivas e pessoais, que por definição filosófica não precisam representar a verdade ou a realidade, mas sim a visão individual acerca de um ato ou assunto.

 

Não sei o que você quis dizer com a analogia do sofá. Ela pouco tem a ver com o assunto em questão.

Mas quanto à do videogame, ao comparar com o caso da Patrícia Abravanel, você está ignorando que o conteúdo do videogame tenha alguma parte da culpa. Temos uma audiência influenciável e uma comunicadora mal-informada.

 

É claro - esse tipo de discurso não é a causa direta pras atrocidades que acontecem por aí contra minorias, mas são a origem da motivação das tais.

Eu nunca dou e nunca darei culpa ao discurso ou o conteúdo, a culpa é completa e total de quem as recebe e interpreta, o conteúdo não tem culpa nenhuma. Se a audiência é influenciável, o problema é deles. É fácil se eximir de suas responsabilidades se utilizando de tais argumentos e desviar o foco, quando na verdade palavras não tem peso algum quando a pessoa tem mente forte.
Já sobre o sofá, é o mesmo conceito: A invés de culpar a esposa pelo ato espontâneo de traição, culpa o sofá por, teoricamente, ter propiciado a condição para que a traição tivesse ocorrido. Em essência, é a mesma coisa que o pessoal faz tentam colocar a culpa em discursos ou opiniões em casos de atrocidades quando a culpa é do agressor.
 
Quando uma pessoa comete uma atrocidade contra um grupo, o que deveria ser jugado são suas ações, pois as ideologias são usados apenas como pretexto para justificar seus crimes. Pessoas assim já são naturalmente violentas, mas apenas procuram discursos para se esconderem e fugirem da responsabilidade.
 

Isso uma ótima pergunta. Não tenho uma resposta que resolva isso rapidamente.

Mas para o caso da Patrícia, o que é claro é que ela deveria ter mais cuidado por causa da função social dela.

Ela apenas disse que ela considera anormal este comportamento, o que dentro dos valores e ideologias dela pode ser coerente. Ideologias e culturas diferentes lidam de forma diferentes com estas questões, gerando assim níveis diferentes de aceitação. Pergunte para um muçulmano como eles tratam a questão do homossexualismo, ou para um Indiano, ou para um Europeu do leste como a cultura deles lida com estas questões. E você pode impor que uma cultura está certa e outras estão erradas? Se sim, você é, por definição, um ditador totalitarista.

 

Você pode quantificar e mensurar a "normalidade" de algo? Você pode parametrizar ou expressar em estatística a "normalidade" de algo? Você pode explicar física-quimicamente e teorização da "normalidade" de algo? Se não pode nenhum dos 3, então o assunto não é objetivo, mas sim subjetivo.

 

Você ainda precisa me dizer porque é necessário que outros valores morais (além dos que eu mencionei) afetem a quem concerne um relacionamento homossexual.

Bota uma coisa na sua mente: A discussão em questão não é sobre a legitimidade ou não do homossexualismo, apesar de você insistir inserir este conteúdo que nada tem a ver com o assunto, mas sim como as militâncias e os grupos de minorias se utilizam de leis que os protegem para tentar censurar opiniões contrárias as deles, e como as pessoas seguem esta tendência.

 

[color=rgb(40,40,40);font-family:helvetica, arial, sans-serif;]O canibalismo não é uma condição inata humana como a homossexualidade é. Não sei se pelo menos há algum registro médico disso.[/color]

Você pode provar isto? Você pode provar que o [color=rgb(40,40,40);font-family:helvetica, arial, sans-serif;]canibalismo não é uma condição inata humana? [/color] Você pode provar que[color=rgb(40,40,40);font-family:helvetica, arial, sans-serif;] a homossexualidade é [/color][color=rgb(40,40,40);font-family:helvetica, arial, sans-serif;]uma condição inata humana?[/color]



#53 Adonai

Adonai

    ~ ::- Nothing -:: ~

  • Membros do Fórum
  • 616 posts
  • LocationEm todo lugar

Postado 11/05/2016 - 23:57:33

 

D'sparil olha esses videos:

 

https://www.youtube....h?v=4SU3jYgF7AY

 

 

https://www.youtube....h?v=lDEaOaxZd-8

 

 

(mandei de novo porque eu tinha mandado errado um dos links) 

 

Eu não gosto muito do jeito que o Olavo fala, as vezes é meio ofensivo, mas o que ele fala me parece muito correto. Faz total sentido pra mim.

 

 

Malz, confesso que não assisti da primeira. Me passou despercebido...  xD

Bem. Assisti os dois agora, e não tem como discordar do Olavo em aspecto algum, ao menos quando se trata desse vídeo. (Aliás, esse vídeo eu já vi tempos atrás. Mas é sempre bom recordar.)

 

Posso dizer que caí na burrice da qual esse vídeo previne: discutir realmente sobre o assunto pautado, seja pra defender liberdade de expressão, seja pra mostrar a diferença entre não gostar de uma prática e não gostar de uma pessoa porque ela tem essa prática.

 

Discutir sobre algo assim é sempre burrice quando se tem alguém que tenta associar uma coisa a outra.

Conclusão: Me tornei mais burro assim que entrei nessa discussão. Me tornei mais burro ao tentar explicar uma coisa que provavelmente a pessoa já sabe e que está ignorando por pura conveniência.

 

Estou salvo de estar sendo completamente burro por não acabar discutindo valor moral, mas em partes já fui burro.

E, pra parar de ser burro, vou começar a só observar o rumo da discussão a partir de agora, se é que vai ter mais alguma discussão. :v



#54 Chewrok

Chewrok
  • Membros do Fórum
  • 66 posts

Postado 12/05/2016 - 22:26:22

Vocês acham MESMO que alguém ESCOLHE sofrer preconceito, ser violentado e possivelmente expulso de casa? Pensem um pouco e parem de agir como se vocês entendessem isso da mesma forma que alguém que passa por isso. Dizer que é opção ou não, se é normal ou não fica a critério de quem tem experiência e se você não tem só prova ainda mais que a sua opinião não tem base, em outras palavras, está errada.



#55 Adonai

Adonai

    ~ ::- Nothing -:: ~

  • Membros do Fórum
  • 616 posts
  • LocationEm todo lugar

Postado 13/05/2016 - 15:56:36

Segundo a lógica...

"Só quem já foi escravo pode opinar sobre a escravatura. E se você não foi um escravo, qualquer opinião que tenha estará errada."



#56 Chewrok

Chewrok
  • Membros do Fórum
  • 66 posts

Postado 15/05/2016 - 19:37:10

Já tentou empatia? Pois é.



#57 Adonai

Adonai

    ~ ::- Nothing -:: ~

  • Membros do Fórum
  • 616 posts
  • LocationEm todo lugar

Postado 15/05/2016 - 22:41:57

Empatia é uma forma de achismo.



#58 bleach

bleach
  • Membros do Fórum
  • 1.164 posts

Postado 16/05/2016 - 17:00:21

Empatia é uma forma de achismo.

 

O que é achismo?



#59 Flame Haze

Flame Haze
  • Guests

Postado 16/05/2016 - 17:25:14

Acho que achismo é quando uma pessoa transforma a opinião dela em verdades absolutas. Ou seja, torna-se "ista" daquilo que ela pensa sobre as coisas. XD



#60 Radical893

Radical893

    Sua Majestade chegou.

  • Membros do Fórum
  • 309 posts
  • LocationAraruama, RJ

Postado 27/05/2016 - 18:21:18

Eu não tenho nada contra os gays, são pessoas ótimas! Mas se eu tiver um filho gay, meto porrada nele.






0 usuário(s) está(ão) lendo este tópico

0 membros, 0 visitantes, 0 membros anônimos