UM OURIÇO NA FÓRMULA 1

Página Inicial  Enquetes Entrevistas Quem somos Fale Conosco Matérias Especiais Arte Conceitual S.O.S Sonic (FAQ) Passe Carnival Night (!)



Sonic e Fórmula 1: combinação de velocidade!

  Maior categoria do automobilismo mundial, o Mundial de Fórmula 1 já ganhou também a presença nosso querido ouriço. Tudo se data a 1993 e 1994, quando a Sega expandia o seu marketing. 1993 foi um ano essencialmente de Marketing da empresa. Foi a vez de se consolidar e quem sabe chegar um pouquinho perto do sucesso da sempre imbatível Nintendo. A escolha não poderia ter sido melhor: num dos anos de maior competição de Fórmula 1, a empresa inseriu de vez a imagem do ouriço, consolidando-o como o seu mascote oficial.

  Essa história surge com o patrocínio da Sega à equipe Williams na temporada de 1993, trazendo o personagem impresso no carro daquele (FW15), capacetes dos pilotos, macacão dos pilotos e cartazes nos boxes. Além disso, houve todo um Grande Prêmio patrocinado pela Sega, como será falado mais adiante. A equipe Williams era a mais forte daquela época, em que os carros tinham menos recursos eletrônicos automatizados, preponderando o papel do piloto. Para se ter noção da superioridade da equipe Williams naquele ano, somente a McLaren chegou a encostar e mais por causa do seu piloto, ninguém mais, ninguém menos que o Ayrton Senna. Os outros patrocinadores da Williams naquele ano foram: Canon, Elf, Renault, Camel, Labatt's e Bull.

  Os pilotos da WIlliams em 1993 eram o francês Alain Prost e o inglês Damon Hill. O campeão da temporada foi o Alain Prost e nos construtores, a Williams foi a campeã. Não poderia ter sido melhor a escolha da Sega para patrocinar alguma equipe naquele ano.

A temporada de 1993 da Fórmula 1


Foto retirada da Internet, origem desconhecida... virou até mesmo camiseta na época

  A temporada de 1993 da Fórmula 1 foi vencida por Alain Prost, que corria com o novato Damon Hill, após a saída de Nigel Mansell em 1992. O brasileiro Ayrton Senna (considerado o melhor piloto de todos os tempos) corria pela McLaren havia vencido o Grande Prêmio do Brasil, numa corrida histórica em que um temporal causou a primeira entrada do Safety Car na história da Fórmula 1 moderna (até então o carro de segurança não era usado desde a década de 70, em situação de acidente, se usava a bandeira vermelha). Neste mesmo ano, Senna ainda ganhou o GP da Europa, GP de Mônaco, GP do Japão e GP da Austrália. A temporada de 1993 foi a despedida de Alain Prost, representando o último título da grande era de campeões da Fórmula 1, com nomes sagrados entre os fãs do automobilismo, como Nelson Piquet, Senna, Prost, Mansell, dentre outros.

Sobre a Williams de 1993: FW15

  O carro da Williams era o tradicional carro azul e amarelo. A Sega viu nisso a sua oportunidade de Marketing e começo uma campanha ostensiva. No carro da equipe Williams, vinha uma foto do pé do ouriço numa parte do carro em que sugeria que quem estava apertando os pedais era o próprio Sonic (vide a foto ao lado). As luvas do ouriço também estavam impressas no carro. Além disso, o macacão dos pilotos possuía o símbolo do Sonic impresso nele. No capacete dos pilotos, um grande destaque ao Sonic bem no centro dele, no lugar mais visível do mesmo. O Sonic ainda aparecia na asa traseira, na sua lateral, no local em que é marcado o número do carro. E para a sorte da Sega, a equipe foi a campeão daquele ano, para tristeza de nós brasileiros. O "professor" Alain Prost, que fazia sua despedida da Fórmula 1 naquele ano, foi o grande campeão.

Vídeo do carro da Williams on-board no GP da Europa

 

Repare que o Sonic aparece aos 0:15

Sega European GP 1993


Senna largava em terceiro e é ultrapassado por Schumacher na largada

  Contudo o grande destaque de 1993 foi o patrocínio da Sega ao Grande Prêmio da Europa de 1993, no circuito de Donington Park, que voltará a ser utilizado em 2010 na Fórmula 1 como Grande Prêmio da Inglaterra. Esta corrida foi inteiramente patrocinada pela Sega. Havia outdoors, banners e placas de Sega e do Sonic para todo lado no circuito. Essa corrida, curiosamente, guardou uma das grandes preciosidades da Fórmula 1: um espetacular desempenho de Ayrton Senna e Rubens Barrichello. Havia muitas críticas sobre a pista devido à ausência de pontos de ultrapassagem, tanto é assim que para a pista voltar ao mundial de 2010, ela foi bastante alterada.

  Ayrton Senna largava da quarta colocação. Logo na largada ele é ultrapassado por Karl Wendlinger. Mas, o grande piloto se recupera e ultrapassa simplesmente todos os carros da sua frente (incluindo 2 Williams, uma Benetton de Michael Shumacher) e, assim, já na primeira volta era o líder da corrida. Prost não acerta bem o seu carro nessa corrida, que foi ainda debaixo de chuva. E na chuva, o Senna voava ainda mais! Senna vence a corrida, que entra na sua carreira como uma de suas melhores.

  Rubens Barrichello também dá um show, quase sempre nunca lembrado. O atual mais experiente piloto da história da Fórmula 1 largava de 14º lugar, para terminar a primeira volta já em quarto lugar, ou seja, o Rubinho ultrapassou nada mais nada menos que 10 carros. O feito não é muito lembrado talvez pelo fato de na época haver um disparate muito grande entre as três melhores equipes (Williams, Benetton e McLaren) e o restante com carros bem inferiores (incluindo a Ferrari!). O Rubinho chegou a ocupar o segundo lugar, mas acabou tendo problemas no carro, abandonando a prova quando estava em quarto lugar.

  A corrida foi uma verdadeira corrida maluca, com o Alain Prost fazendo nada mais nada menos que mais de 5 pit stops para troca de pneus. Isso porque toda hora chovia e parava de chover. Senna e Rubens Barrichello optaram por insistir ora com os pneus de chuva, ora com os pneus secos e se deram bem. Nem mesmo dois desastrosos pit stops da McLaren de Ayrton Senna impediram a sua vitória.

Confira aqui o vídeo da primeira volta dessa corrida: download
Confira aqui o vídeo da chega dessa corrida: download

  O mais curioso desta corrida é o troféu. O troféu era nada mais nada menos do que o Sonic! Isso mesmo! Um Sonic! Na hora de receber o troféu o Senna dá uma estranhada no mesmo, provavelmente por desconhecer o ouriço, e logo depois o recebe e levanta ao alto! Sensacional!

  Veja esse texto tirado do Blog Velocidade:

Uma tarde chuvosa e fria no circuito de Donington Park, Inglaterra. Cenário ideal para Ayrton Senna mostrar sua habilidade em condições adversas. Não importava que sua McLaren, em 1993, não fosse párea para a magnífica Williams-Renault de Alain Prost, nem que seu motor Ford fosse de uma versão anterior ao engine da Benetton de Michael Schumacher. Senna estava pronto para mostrar ao mundo que ele ainda era o melhor e que merecia a chance de pilotar um carro à altura de seu talento.

As posições de largada foram decididas no treino oficial de sábado, disputado em pista seca. Sem maiores dificuldades, Alain Prost cravou a pole, seguido por seu companheiro na Williams, Damon Hill. Senna ficou em quarto, atrás de Schumacher: com isso, Prost começou a cantar vitória, dizendo que as ultrapassagens na chuva seriam difíceis.

Não para Senna. Quando a luz verde foi acesa, debaixo de uma fina garoa, Senna iniciou o que foi para muitos a mais incrível volta da história do automobilismo. Uma lição antológica de como controlar um Fórmula 1 no limite da aderência, sem visibilidade e contra adversários mais bem equipados.

O francês saiu na frente, seguido por Hill. Senna foi espremido por Schumacher e jogado para a zona de saída dos boxes. Com isso, ambos perderam a terceira posição para Karl Wendlinger. Mas Senna logo ultrapassou o austríaco da Sauber por fora. Numa velocidade fora do comum para aquelas condições, Senna chegou em Hill na curva McLeans e o deixou para trás sem dificuldades na curva seguinte, a Coppice. Abusando do controle de tração “fly by wire” da McLaren, Senna vinha de lado, corrigindo a direção como se pilotasse um kart.

Prost olhou no retrovisor e se assustou ao ver o carro branco e vermelho. Sempre soube o quanto Senna era bom no molhado. De repente, viu o bico branco da McLaren à sua direita ao contornar o grampo Melbourne, a última curva do circuito. Senna freou e contornou a curva com maestria, completando a primeira volta na liderança.

Na corrida em diante Senna troca de pneu por cinco vezes, um Prost desesperado tentando se manter na pista molhada troca oito vezes.

Chove e pára de chover umas trinta e cinco vezes. Num dos pits a Mclaren faz cagada e Senna fica mais de vinte segundos no pit. Prost volta a liderar, mas Senna consegue andar na chuva com pneu de seco mais rápido que Prost com pneu de chuva.

Barrichello, que impressionou, acabou sem completar a prova com quebra de seu carro a quatro voltas do final. já Senna venceu de maneira espetacular. O pódio foi formado por um eufórico Ayrton Senna junto com Damon Hill e um conformado Prost.

Aliás em uma entrevista, uma vez, Prost disse que foi depois dessa corrida que ele decidiu que era a hora de se aposentar, pois percebeu que já não tinha mais o mesmo ritimo de antigamente, e assim não teria mais como acompanhar Senna.

Curiosidade

  Em uma entrevista realizada pro Frank Williams em 1993, o chefão da equipe Williams comenta que os patrocínios, especialmente da Sega e da Rothmans foram fundamentais para a equipe não se afundar em dívidas, nesta época, em que diz o chefão, que muitas equipes mal conseguiam pagar os gastos de deslocamento. Quem é fã de Fórmula 1 sabe o que isso significa, porque equipes garageiras, que não são ligadas a montadores, possuem mais dificuldade para se manter nas pistas, além de dependerem mais de patrocínios. Em geral, essas equipes são as que mais se dedicam à esportividade da Fórmula 1.

Fotos 1993

A provocação de Ayrton Senna

  Essa pouca gente sabe. A Williams já vinha bem 1992 e 1993 (embora em 1993 não tanto quanto em 1992), o que incomodava muito o brasileiro Ayrton Senna. Após ter brilhado no GP da Europa, Ayrton Senna provocou de forma bem humorada ao seu rival Alain Prost, da Williams: Senna inseriu na sua McLaren um adesivo de um... ouriço atropelado! Uma clara referência ao Sonic, que estava estampado nos carros da Williams. Confira na imagem acima.

Temporada de 1994

 Poucos falam do papel da Sega na temporada de 1994 de Fórmula 1. Essa temporada foi marcada pelo trágico acidente que levou à morte de Ayrton Senna, a bordo da equipe Williams, tendo sido substituído primeiro por David Coulthard e depois por Nigel Mansell. A equipe Williams em 1994 corria com Senna e Damon Hill. No ano de 1994 a parceria da Sega com a Williams foi retomada a partir do GP da Europa daquele ano, já após a morte de Ayrton Senna. Com um patrocínio muito mais discreto, nada era exibido no carro, sendo que a Sega fez apenas um patrocínio pessoal ao inglês Damon Hill, que passou a contar em seu macacão com um logo da Sega no braço esquerdo. A parceria durou até o fim da temporada.

  O campeão de 1994 foi o alemão Michael Schumacher, maior vencedor da história da Fórmula 1.

 

Diga não ao plágio, cite a autoria!
Por: Hyper Knuckles
Atualizado em: 03/07/2015

T